Participe!

Participe!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Amor familiar que constrói solidariedade

Existe uma tradição antiga em nossa Arquidiocese da “santificação do matrimônio”, ou seja, a celebração do matrimônio com os casais que estão apenas unidos pelo civil, ou mesmo sem nenhuma união, a não ser a de fato. No ano passado tivemos quase três centenas de casais que celebraram, em nossa catedral, este rito. Isso despertou um interesse maior, de tal maneira em todas as paróquias da Arquidiocese, se multiplicaram celebrações semelhantes durante o ano.
No entanto, prosseguindo com a tradição iniciada, tivemos também neste ano, em nossa Catedral, dentro do contexto do tempo do Advento, a celebração do matrimônio com dezenas de casais que já convivem juntos e que ainda não tinham recebido o Sacramento do Matrimônio.
Como neste ano, iniciando no mês de outubro, além do Ano Mariano (nacional), vivemos também o Ano da Família (arquidiocesano), a celebração se colocou dentro dessa perspectiva da Igreja em saída, que busca os seus filhos para proporcionar situações de santificação.
Nosso agradecimento a toda equipe da catedral metropolitana, coordenada pelo hoje nomeado bispo auxiliar de nossa Arquidiocese, Mons. Joel Portella Amado, pela preparação desta celebração. Um agradecimento especial a todos os párocos em suas paróquias e aos vigários episcopais nos Vicariatos pela preparação desses casais. Uma menção especial aos Diáconos Permanentes que nos ajudaram a realizar a celebração. Deus dá a vocação ao matrimônio, fruto do amor esponsal, aos batizados que se dão e se recebem em matrimônio sacramental.
Numa sociedade tão confusa e violenta como a nossa, a vocação ao matrimônio deve ser viva escolha de perdão, de reconciliação, de doação para experimentar na comunhão de vida entre o homem e a mulher o amor de Deus aberto para a constituição da prole. Um casal que recebe a bênção de Deus e da Igreja contagia com o seu testemunho a sociedade pelos seus valores cristãos. Por isso, não cansarei de louvar e bendizer a Deus a beleza sacramental do matrimônio e a importância da família que quer viver a genuína vocação matrimonial de transmissores da fé na Igreja Doméstica.
Em tempos de tanta propaganda contra a Família e contra a vida, celebrar um momento como este é um grito no deserto que anuncia a possibilidade de tempos novos em nossa sociedade. Oportunidade de florescer famílias cristãs que caminhem conformando a vontade da pessoa com o plano de Deus.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Casamento comunitário na Catedral

No dia 3 de dezembro, pela segunda vez casamentos comunitários foram realizados pela Arquidiocese do Rio na Catedral de São Sebastião do Rio de Janeiro, dessa vez com 28 casais. Essa ação social, junto ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ), tem como finalidade regularizar o estado civil de casais que já viviam no mesmo lar. 
Para os organizadores, o importante é o casamento, por isso a celebração civil e religiosa é totalmente gratuita.
Organizada pelo pároco, monsenhor Joel Portella Amado, a celebração foi presidida pelo Cardeal Orani João Tempesta com a colaboração de sacerdotes e diáconos permanentes e o apoio e acolhida dos agentes com experiência na Pastoral Familiar.
Em 2015 casaram 192 casais. O número caiu porque muitas paróquias estimuladas pela celebração comunitária do ano passado também promoveram casamentos comunitários ao longo do ano.
Para 2017, por ser o Ano da Família na Arquidiocese do Rio, junto com o Ano Mariano, Dom Orani pediu que as paróquias não façam celebrações comunitárias locais e que encaminhem essas pessoas à Catedral para fazer uma só celebração.
O casamento comunitário de 2017 já tem data, horário e local marcados: dia 2 de setembro, às 16h, na Catedral.
“A celebração comunitária é uma experiência muito rica e bonita. As pessoas de fora só veem a celebração, mas é um evento que começa no início do ano e se prolonga até a data da celebração. A primeira beleza é o contato com os casais que vêm pra pedir informações e solicitar ajuda com a documentação. É nesse momento que escutamos as histórias de vida. É uma experiência muito gostosa”, contou monsenhor Joel Portella Amado.

Foto: Gustavo de Oliveira

Fonte: http://arqrio.org/noticias/detalhes/5195/casamento-comunitario-na-catedral