terça-feira, 3 de outubro de 2017

“Vida é sagrada nas suas diversas etapas” afirma presidente da Comissão para Vida e Família

A Igreja no Brasil abriu neste domingo, 1º de outubro, a Semana Nacional da Vida. Neste ano, as reflexões estão em sintonia com o Ano Nacional Mariano, com o tema “Bendito é o fruto do teu ventre”. Até o dia 7, será o momento para levar às comunidades uma reflexão mais aprofundada sobre agressões que a vida sofre no mundo de hoje. No dia 8, a iniciativa é encerrada com o Dia do Nascituro, dedicado às crianças que ainda vão nascer.
De acordo com o bispo de Osasco (SP) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom João Bosco Barbosa de Sousa, a Semana Nacional da Vida é assumida pela Pastoral Familiar e deve levar a todas as comunidades uma reflexão mais aprofundada sobre “as muitas agressões que a vida sofre no mundo de hoje tão marcado pela discriminação, pela exclusão, pela liquidificação dos valores morais, que vão caindo cada vez mais e valores importantes para a vida humana”. Para o bispo, diante dessas questões presentes no dia-a-dia dos brasileiros, a resposta dos cristãos deve ser dada a partir do Evangelho, a partir do ensino da Igreja.
O Dia do Nascituro celebra o direito à proteção da vida e saúde, à alimentação, ao respeito e a um nascimento sadio para a criança que está no ventre materno. “Aquele que vai nascer, o nascituro, tem o seu direito à vida, não só o direito de viver, mas desenvolver-se com qualidade e poder se tornar um ser humano integral. Então essa semana é extremamente importante para todos nós”, pontua dom João Bosco.
A Semana Nacional da Vida parte da dinâmica de defesa da vida e é celebrada oficialmente desde 2005 quando foi oficializada pela Assembleia da CNBB naquele ano. Antes disso, porém, desde a década de 1980 aconteciam iniciativas, como campanhas, aprofundamentos, encontros e cursos relacionados à temática.

Dignidade da vida no ventre materno
A temática deste ano, ligada ao Ano Mariano, sugere que Maria seja modelo, pois tem no seu ventre uma criança que é o próprio filho de Deus. “Assim, existem muitas mulheres que trazem no seu ventre também os seus nascituros, os seus filhos que vão nascer, e aí está um ponto de partida para a gente compreender toda a sacralidade da vida. A vida é sagrada nas suas diversas etapas e deve ser defendida desde o momento da concepção”, explica o bispo, que também preside a Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF).

“Há muitas pessoas que pensam de forma diferente e acham que a vida pode ser eliminada se ela nos incomoda, que pode ser eliminada se ela não é ‘perfeita’, ‘porque o feto não tem direitos, quem tem é a mulher de preservar o seu corpo…’ Mentira! É um ser humano! Um ser humano que tem direitos, sim, e que por isso deve ser extremante cuidado, especialmente por ser muito frágil”, exorta.

Subsídio
A CNPF prepara desde 2011 o subsídio Hora da Vida para a semana nacional. A edição deste ano foi elaborada em parceria com o Movimento Brasil Sem Aborto e o grupo Promotores da Vida. São sete encontros e propostas de Celebração da Vida para o Dia do Nascituro e de bênção para o momento do parto. “Em cada encontro temos a oportunidade de recordar a história de Jesus e também de sua mãe, que protagonizou a bela atitude de acolher uma vida que teria a missão de salvar as vidas”, explica o assessor da Comissão para a Vida e a Família, padre Jorge Alves Filho.
Dom João Bosco explica que o livreto apresenta o tema a partir das diversas etapas da vida, com os “grandes entraves que precisam ser superados”. O bispo sugere que os interessados poderão aproveitar os subsídios preparados nos anos anteriores, os quais têm temas também significativos e que podem ser retomados e aprofundados nas comunidades durante a semana. “Assunto não falta. O que precisa é a gente abraçar com carinho a Semana Nacional da Vida”, incentiva.

Fonte: http://cnbb.net.br/vida-e-sagrada-nas-suas-diversas-etapas-afirma-presidente-da-comissao-para-vida-e-familia/

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Papa institui "Ciências sobre o Matrimônio e a Família"

Foi publicada esta terça-feira (19/09) uma Carta Apostólica do Papa Francisco em forma de “Motu próprio” a respeito da família.
Com a “Summa familiae cura”, o Papa institui o Pontifício Instituto Teológico João Paulo II para as Ciências do Matrimônio e da Família que, ligado à Pontifícia Universidade Lateranense, substitui o Pontifício Instituto João Paulo II para os Estudos sobre o Matrimônio e Família.
Portanto, o que era “Estudo” agora se torna “Ciência”, pois, para Francisco, é importante prosseguir a intuição de João Paulo II, ampliando o raio de pesquisa sobre a família, seja no que diz respeito à sua dimensão pastoral e eclesial, seja no campo da cultura antropológica.
O Papa considera que a mudança antropológico-cultural da sociedade requer uma análise analítica e diversificada da questão familiar, que não se limite a práticas pastorais e missionárias que refletem formas e modelos do passado. “No límpido propósito de permanecer fiéis ao ensinamento de Cristo, devemos portanto olhar, com intelecto de amor e com sábio realismo, para a realidade da família hoje em toda a sua complexidade, nas suas luzes e sombras”, escreve o Pontífice.
O novo Instituto constituirá, no âmbito das instituições pontifícias, um centro acadêmico de referência, a serviço da missão da Igreja universal, no campo das ciências que dizem respeito ao matrimônio e à família e acerca dos temas relacionados com a fundamental aliança do homem e da mulher para o cuidado da geração e da criação.
O Instituto Teológico tem a faculdade de conferir “iure proprio” aos seus estudantes os seguintes graus acadêmicos: Doutorado, Licenciatura e Bacharelado em Ciências sobre o Matrimônio e a Família.

Fonte: http://br.radiovaticana.va/news/2017/09/19/papa_institui_ci%C3%AAncias_sobre_o_matrim%C3%B4nio_e_a_fam%C3%ADlia/1337628