Participe!

Participe!

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Família de Nazaré

Cardeal Orani João Tempesta
Arcebispo do Rio de Janeiro

“É na família que se aprende a rezar, a amar, a dialogar, perdoar e conviver. É com o leite materno e o abraço paterno que devemos aprender a santa fé católica que o Senhor nos concedeu.”

Estamos dentro do clima de Natal. Entre as festas solenes que celebramos torna-se presente o mistério da encarnação e suas consequências, que tanto alegram a humanidade, contemplando o mistério da Sagrada Família, o anúncio da beleza da família cristã. Ao anunciarmos isso, o nosso coração também se dirige para tantos que se machucaram no decorrer do caminho e tantos outros que procuram caminhos para encontrar a paz interior. Mesmo com toda realidade de hoje sempre é tempo de olhar a beleza da revelação e buscar os caminhos para as nossas famílias.
No domingo dentro da Oitava do Santo Natal, a Santa Mãe Igreja contempla o mistério da Sagrada Família de Nazaré. O Verbo eterno, ao assumir nossa condição humana, encarnou-se e nasceu, viveu e cresceu no seio de uma família humana. “Nós vos bendizemos, Senhor nosso Deus, pois quisestes que o vosso Filho feito homem participasse da família humana e crescesse em estreita intimidade familiar, para conhecer as aflições e provar as alegrias de uma família!” Para a fé cristã, este fato reveste-se de uma significação enorme: ao assumir a família, ao entrar nela e nela humanizar-se, o nosso Deus e Salvador, Jesus Cristo, santificou a família humana. Já no princípio, quando Deus, na sua sabedoria infinita, viu não ser bom que o homem estivesse só e deu-lhe a mulher por companheira, determinando que os dois fossem uma só carne, desde então a família é sagrada. Isso mesmo: Deus pensou no ser humano nascendo e sendo formado no seio de uma família. E compreendamos bem família: um homem e uma mulher gerando e educando filhos no amor! Uma família, do ponto de vista da revelação é isso! Pois bem: a família, sonhada e instituída por Deus, foi definitivamente abençoada e levada à plena sacralidade pelo Filho eterno quando, fazendo-se homem, santificou e consagrou a vida familiar. “Senhor, nós vos rogamos por nossas famílias: protegei-as e guardai-as, para que, confortadas com o dom de vossa graça, gozem de prosperidade, paz e harmonia, e deem no mundo testemunho de vossa glória”.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Jesus nasce numa família

Tema da Catequese do dia 17 de dezembro: A Família de Nazaré – uma meditação do Santo Padre incluída no caminho comum que nos levará ao Sínodo dos Bispos de outubro próximo.
“Jesus nasce numa família. Deus escolheu nascer numa família que Ele próprio formou. Formou-a numa perdida localidade do Império Romano. Não em Roma, não numa grande cidade, mas num periferia quase invisível, aliás, mal afamada. Recordam-no até os Evangelhos, quase como que a dizer: ‘De Nazaré pode vir algo de bom?’ Se calhar, em muitas partes do mundo, nós próprios falamos ainda assim, quando ouvimos o nome de algum lugar periférico de uma grande cidade. Pois bem, foi precisamente dali, daquela periferia do Império Romano que se iniciou a história mais santa, aquela de Jesus entre os homens!”
Cada família – continuou o Papa – tal como fizeram Maria e José – pode acolher Jesus, ouvi-Lo, falar com Ele, guardá-Lo, protegê-Lo, conversar com Ele; e, deste modo, melhorar o mundo. Demos espaço ao Senhor no nosso coração e no nosso dia-a-dia! Assim fizeram Maria e José – afirmou o Santo Padre.
A família de Nazaré é uma família real, uma família normal – continuou o Papa Francisco – contemplando-a, descobrimos a vocação e a missão da família, de cada família. Como aconteceu naqueles trinta anos de vida oculta de Jesus em Nazaré, assim pode suceder conosco: fazer com que se torne normal o amor e não o ódio, fazer com que se torne comum a ajuda recíproca e não a indiferença nem a inimizade. Não é por acaso – disse ainda o Santo Padre – que a palavra “Nazaré” significa “Aquela que guarda”; e o mesmo se diz de Maria: “Ela guardava todas estas coisas no seu coração”.
“Desde então, todas as vezes que há uma família que guarda no coração este mistério da vocação e missão da família, ainda que seja na periferia do mundo, está a realizar-se o mistério do Filho de Deus. E Ele vem para salvar o mundo.”
Após a oração do Pai-Nosso o Papa Francisco a todos deu a sua bênção!

Fonte: http://pt.radiovaticana.va/news/2014/12/17/jesus_nasce_numa_fam%C3%ADlia_%E2%80%93_o_papa_na_audi%C3%AAncia_geral/1115087

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Acolher Jesus na família, pede Papa na catequese

Santo Padre falou da Sagrada Família de Nazaré; ele destacou que a missão da família é acolher Jesus que está presente ali, na pessoa dos filhos, dos pais e avós

Nesta quarta-feira, 17, o Papa Francisco encerrou as audiências gerais de 2014 dando continuidade às catequeses sobre família. Partindo do exemplo da Sagrada Família de Nazaré, ele pediu que as famílias de hoje saibam acolher Jesus na pessoa do marido e da esposa, dos filhos e avós.
“Essa é a missão da família: dar lugar a Jesus que vem, acolhê-Lo na família, na pessoa dos filhos, do marido, da esposa e dos avós. Jesus está ali, acolham-nO! Que o Senhor nos dê essa graça”, pediu Francisco.
Tendo em vista o Sínodo dos Bispos, que será concluído em outubro de 2015, Francisco reflete sobre o grande dom que é a família. Segundo ele, a proximidade do Natal acende sobre esse mistério uma grande luz, pois a encarnação do Filho de Deus abre um novo início para a história universal do homem. “Jesus nasce em uma família. Ele podia vir espetacularmente, como um imperador, mas vem como um filho de família. É importante olhar para o presépio, para esta cena”.
Francisco também abordou o fato de Jesus ter nascido em uma periferia, em Nazaré, que na época tinha má fama. Mas foi justamente daquela periferia que começou a história mais santa, disse o Papa, lembrando que Jesus permaneceu ali por 30 anos, seguindo Seu caminho naquela família, com Maria e José.
Embora alguns possam achar que foi um desperdício Jesus passar 30 anos naquela periferia, o Papa destaca o contrário, pois o convívio familiar era o que importava naquele momento. “O caminho de Deus é misterioso; o que era importante ali era a família. Não era um desperdício, e sim grandes santos”.
Contemplar a Sagrada Família é, segundo o Papa, contemplar a missão da família, fazer com que se torne comum o amor; não o ódio.
“Cada família cristã, como Maria e José, pode, antes de tudo, acolher Jesus. Escutá-Lo, falar com Ele, protegê-Lo, crescer com Ele e assim melhorar o mundo. Demos espaço no nosso coração e na nossa jornada ao Senhor. Assim fizeram Maria e José, e não foi fácil. Quanta dificuldade tiveram de superar!”.

Fonte: http://papa.cancaonova.com/acolher-jesus-na-familia-pede-papa-na-catequese/
  

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Papa inicia ciclo de catequeses sobre família falando do Sínodo

Santo Padre explicou o que foi o Sínodo dos Bispos, iniciando, assim, um ciclo de catequeses que vai abordar diversos aspectos da vida familiar.

A família é o tema de um novo ciclo de catequeses do Papa Francisco. Reunido com os fiéis, nesta quarta-feira, 10, na Praça São Pedro, o Pontífice começou as reflexões falando do Sínodo dos Bispos, realizado em outubro passado.
Antes de entrar nos diversos aspectos da vida familiar, Francisco quis recordar como se desenvolveu a última assembleia sinodal, já que a Igreja vive um tempo intermediário à espera da conclusão das reflexões, o que só acontecerá na assembleia de 2015.
Francisco lembrou o trabalho da mídia e agradeceu pela cobertura noticiosa realizada. Porém, observou que a visão da mídia foi um pouco parecida com as crônicas esportivas ou políticas, pois falava de dois grupos, como “dois adversários”. Ele explicou que, quando se procura a vontade de Deus em uma assembleia sinodal, há diversos pontos de vista e discussão, mas isso não é ruim, quando feito com humildade e espírito de serviço.
“Devemos saber que o Sínodo não é um parlamento. Sínodo é um espaço protegido, a fim de que o Espírito Santo possa trabalhar”, ressaltou Francisco, explicando que houve sim um debate entre bispos que foram para lá preparados, mas esse é o caminho sinodal normal.
“Antes de tudo, pedi aos padres sinodais para falarem com franqueza e coragem e escutarem com humildade (…) No Sínodo, não houve censura prévia. Cada um podia, mais ainda, devia dizer aquilo que tinha no coração e que pensava sinceramente”.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Carta aberta aos padres, pais e agentes de Pastoral do Regional Leste1

A Escola pública tem um sujeito que necessita,  para sua formação integral, do conteúdo da disciplina Ensino Religioso. Esse conteúdo é indispensável à sua formação! Estamos falando dos nossos jovens e adolescentes que pela sua fase da vida, questionam e buscam respostas que transcendem a realidade concreta. Se eles não as encontram, poderão enveredar num vácuo existencial ou preencher o vazio com ostentação do que possuem, seja no álcool ou na droga com tudo de risco que isso implica.  Oportunizar a formação religiosa nas escolas é dever de quem se propõe a formar cidadãos livres e conscientes.
Formar os jovens, enquanto ser social, comprometido com a construção do mundo, é educá-los,  também para os valores que transcendem a sua existência material. A escola tem que ajudá-los a construir sua vida interior, o seu caráter e personalidade, a comprometer-se com a coletividade, a buscar o melhor para si e para os outros. Nesse sentido, o Ensino Religioso é matéria escolar tão importante e necessária quanto as demais disciplinas, o que não justifica a  sua discriminação e muito menos sua exclusão, como vem ocorrendo em algumas escolas que, para fugir das dificuldades que essa suscita na organização do currículo, não a oferecem. Lembramos ainda que sua oferta é obrigatória,  enquanto proposta da escola e optativa aos alunos. É impossível falar da formação integral sem levar em consideração essa dimensão transcendental/religiosa, componente essencial do ser humano.
Diante dessa urgência no mundo da educação,  os Bispos do Estado do Rio de Janeiro pedem aos pais e/ou responsáveis que fiquem atentos ao ato da renovação/confirmação de matrícula para que esse seu direito seja garantido: Se essa disciplina não lhe for oferecida, antecipe-se, lembrando  e/ou solicitando o cumprimento desse direito, garantido por lei.  Exija  o  direito ao Ensino Religioso para seus filhos menores e anime os seus filhos adultos a solicitar essa disciplina, independente se lhe for perguntado ou não!
O Ensino Religioso é de oferta obrigatória por parte do Estado e adesão opcional por parte dos alunos e isso se fundamenta nas seguintes leis:

- Constituição Federal de 05/10/1988, Artigo 210, parágrafo 1°.
- Lei de diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB nº 9.394/96, artigo 33.
- Lei Estadual nº 3459 de 14/09/2000.
- Decreto nº 31.086 de 27/03/2002.

Portanto, caríssimos  pais, exijam no ato da matrícula  que seus filhos tenham essa disciplina.

Rio de Janeiro, 21 de Novembro de 2014.

Cardeal Dom Orani João Tempesta
Presidente do Regional Leste 1 da CNBB.

Dom Nelson Francelino Ferreira
Bispo referencial do Regional Leste 1 da CNBB para o Ensino Religioso.

Fonte: http://vicariatonortecomunicando.blogspot.com.br/2014/11/carta-aberta-aos-padres-pais-e-agentes.html

terça-feira, 21 de outubro de 2014

A família segundo os Papas

“Se o amor é uma relação, constrói-se como uma casa. Não a queiram construir sobre a areia dos sentimentos que vão e vêm, mas sobre a rocha do amor verdadeiro, o amor que vem de Deus. A família nasce deste projeto de amor que quer crescer como se constrói uma casa: que seja lugar de afeto, de ajuda, de esperança”
Francisco, aos noivos, na Praça São Pedro, Dia de São Valentim – 14/02/2014

“Queridas famílias, sede corajosas! Não cedais à mentalidade secularizada que propõe a convivência como preparação ou mesmo substituição do matrimônio. Mostrai com o vosso testemunho de vida que é possível amar, como Cristo, sem reservas, que não é preciso ter medo de assumir um compromisso com outra pessoa”
Bento XVI, na homilia, 05/06/2011

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Celebração da vida

A Semana da Vida na Arquidiocese do Rio de Janeiro, promovida pela Comissão de Promoção e Defesa da Vida, foi comemorada de 1º a 8 de outubro com várias atividades e atitudes concretas em favor de pessoas em situação de grande fragilidade, como mulheres marginalizadas, portadoras de deficiências, em situação de rua e enfermas desamparadas.

Abertura
O bispo auxiliar Dom Antonio Augusto Dias Duarte abriu a Semana da Vida, no dia 1º de outubro, com missa realizada na Capela Nossa Senhora Aparecida, aos pés do Cristo Redentor, no Corcovado. Concelebrada pelo vigário episcopal do Vicariato Norte, padre Cláudio dos Santos, a missa contou com a presença de integrantes do Movimento em Defesa da Vida e do Instituto Eu Defendo, secretárias paroquiais e da cantora Elba Ramalho.

Dia de reflexão e testemunhos
Foi realizado em 4 de outubro, dentro da programação da Semana da Vida, um dia de reflexão e testemunhos, na Igreja São João Batista, em Botafogo.

Confiar em Deus
O evento foi aberto com o depoimento do jovem casal Andréa Ferrari e Pedro Zuazo, casados há quase um ano, e esperando seu primeiro bebê, Luiza.
Eles relataram que, diante da notícia da gravidez, muitos lhes perguntavam por que não esperaram mais tempo para começar a ter filhos, o que, naquele momento, trouxe para eles um misto de alegria e desconforto. Foi então que decidiram, em suas próprias palavras:
“Inverter a lógica, nesta ordem: confiar em Deus, começar uma família, experimentar e arriscar sem medo”.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Ouça a minha voz

O Catecismo da Igreja Católica (CIC), no parágrafo 2270, diz: “A vida humana deve ser respeitada e protegida, de modo absoluto, a partir do momento da concepção. Desde o primeiro momento da sua existência, devem ser reconhecidos a todo ser humano os direitos da pessoa, entre os quais o direito inviolável de todo o ser inocente à vida”.

Desde o momento da concepção, a vida quer ser vivida num lindo, misterioso e milagroso desenvolvimento. Como diz o salmista: “Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe” (Salmo 139,13).


Confira a animação: “Ouça a minha voz”:

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Cardeal Dom Orani fala sobre o Sínodo da Família

No próximo domingo, 5 de outubro, às 10h da manhã (horário de Roma) o santo Padre Francisco celebrará a santa missa na basílica de São Pedro por ocasião da abertura da III Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos. Assim confirmou hoje o porta-voz da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi.
No sínodo participarão 253 pessoas, dentre as quais 14 casais de esposos convidados pelo Papa. Representando o Brasil estarão os cardeais Dom Odilo Pedro Scherer, SP, Dom Orani João Tempesta, RJ, e o Cardeal Dom Raymundo Damasceno, presidente da Conferência episcopal do Brasil, além do casal Hermelinda e Arturo Zamperlini que desde o 1º de setembro são os responsáveis pela Super-região Brasil do Movimento das Equipes de Nossa Senhora.
ZENIT entrevistou o Cardeal Dom Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, com o fim de esclarecer mais o contexto desse sínodo, levantando algumas questões do próprio documento preparatório. Acompanhe abaixo e fique por dentro dessa Assembleia que está a ponto de começar:
***
ZENIT: Dom Dimas Lara, arcebispo de Campo Grande, MS, e ex-secretário geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), disse na reunião do CELAM em preparação ao sínodo dos bispos que é importante “a mudança de metodologia do sínodo”, para poder refletir “uma participação e escuta mútua e a colegialidade dos bispos com o magistério do Santo Padre”. E disse que “Não será uma coleta de sugestões” e que “o leque será aberto para que muitas outras ideias e enfoques sejam encarados”. Poderia dar-nos algum exemplo concreto de como essa mudança de metodologia afeta o presente sínodo?
Card. Orani Tempesta: A metodologia ficou clara. O Papa Francisco divulgou um documento com perguntas sobre o tema para o mundo inteiro, o que demonstrou sua importância devido a quantidade de respostas. Depois realizou um consistório sobre a família. Esse foi mais um passo. Em terceiro, é o que acontece agora: a assembleia extraordinária. O sínodo mesmo acontece em 2015. Esses passos visam encontrar os caminhos para a família e os problemas de hoje. Os passos do sínodo mostram uma metodologia que busca aprofundar o tema pouco a pouco.
ZENIT: Infelizmente, hoje, a família é terrivelmente ameaçada, especialmente pela Ideologia do gênero que, se aplicada, levará à morte da família e da sociedade. Há uma clara consciência do perigo dessa ideologia no seio da Igreja?
Card. Orani Tempesta: Creio que os estudiosos têm advertido, aprofundado, respondido a questão da ideologia do gênero, mas em geral o povo não tem consciência do perigo, não vê com clareza sobre isso no dia a dia. É importante estudar sobre a ideologia de gênero para que se chegue a essa preocupação, esclarecendo a questão nos grupos, nas pastorais para que cada paroquia possa ver, do trabalho local para a consciência global, o perigo da ideologia do gênero.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Um povo que não cuida dos avós e não os trata bem é um povo sem futuro

            A Praça São Pedro viveu neste domingo uma manhã de festa, com mais de cinquenta mil pessoas que participaram do encontro do Papa com os anciãos e avós provenientes do mundo inteiro. Convidado pelo Papa Francisco, encontrava-se presente também Bento XVI, que participou do primeiro momento do encontro, retirando-se antes do início da santa missa, que constituiu a segunda parte.
            De fato uma grande festa, animada, entre outros, pelas músicas apresentadas pelos cantores Andrea Bocelli e Claudio Baglioni, e marcada pelo testemunho de alguns dos presentes, em particular, o de Mubarak, refugiado do Curdistão iraquiano, acompanhado de sua mulher Aneesa, casados há 51 anos, com dez filhos e doze netos. Mubarak recordou os sofrimentos de seu povo.
            "Agradeço a vocês por terem vindo tão numerosos", disse o Papa no início de seu discurso aos presentes, agradecendo também a Bento XVI por sua presença. "Várias vezes disse que gostava muito do fato de ele morar no Vaticano, porque é como ter um avô sábio em casa", frisou.
            Em seguida, referindo aos testemunhos, quis destacar um deles, a dos irmãos vindos de Qaraqosh, Iraque, fugidos de uma violenta perseguição.
            "É belo que vocês estejam aqui hoje: é um dom para a Igreja. Oferecemos-lhes nossa proximidade, nossa oração e ajuda concreta. A violência sobre os anciãos é desumana, como a violência sobre as crianças. Mas Deus não os abandona, está com vocês!", disse Francisco.
            "Estes irmãos testemunham-nos que também nas provações mais difíceis, os anciãos que têm fé são como árvores que continuam a dar fruto. E isso vale também nas situações mais ordinárias, onde, porém, pode haver outras tentações, e outras formas de discriminação."
            Francisco afirmou que a velhice, em particular, é um tempo de graça, no qual o Senhor nos renova seu chamado: chama-nos a custodiar e transmitir a fé, chama-nos a rezar, especialmente a interceder; chama-nos a estar próximo de quem precisa.
            Em seguida, o Santo Padre afirmou que foi confiada uma grande tarefa aos avós que receberam a bênção de ver os filhos dos filhos:
            "Transmitir a experiência da vida, a história de uma família, de uma comunidade, de um povo; partilhar com simplicidade uma sabedoria, e a própria fé: a herança mais preciosa! Bem-aventuradas aquelas famílias que têm um avô próximo! O avô é pai duas vezes e a avó é mãe duas vezes."

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Oração para o Sínodo da Família

I - ORAÇÃO À SAGRADA FAMÍLIA PELO SÍNODO
Jesus, Maria e José
em vós nós contemplamos
o esplendor do verdadeiro amor,
a vós dirigimo-nos com confiança.
Sagrada Família de Nazaré,
faz também das nossas famílias
lugares de comunhão e cenáculos de oração,
autênticas escolas do Evangelho
e pequenas igrejas domésticas.
Sagrada Família de Nazaré,
nunca mais nas famílias se vivam experiências
de violência, fechamento e divisão:
quem quer que tenha sido ferido ou escandalizado
receba depressa consolação e cura.
Sagrada Família de Nazaré,
o próximo Sínodo dos Bispos
possa despertar de novo em todos a consciência
da índole sagrada e inviolável da família,
a sua beleza no desígnio de Deus.
Jesus, Maria e José
escutai, atendei a nossa súplica.

II - ORAÇÃO UNIVERSAL

Irmãos e irmãs!
Como família dos filhos de Deus e animados pela fé, elevemos as nossas súplicas ao Pai, a fim de que as nossas famílias, sustentadas pela graça de Cristo, se tornem autênticas igrejas domésticas onde se vive e se dá o testemunho do amor de Deus.

Oremos e, juntos, digamos: 

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Sínodo da Família

Por Cardeal Orani João Tempesta
Arcebispo da Arquidiocese do Rio de Janeiro
           
“A família é um elemento essencial para todo e qualquer progresso humano e social sustentável”! Este é o intuito do Papa Francisco ao divulgar o texto preparatório – o chamado “Instrumento de trabalho” – do Sínodo Extraordinário de outubro próximo, que terá como tema “Os desafios pastorais da família, no contexto da evangelização”.
O documento contém e sintetiza as respostas ao questionário sobre os temas do matrimônio e da família, contido no documento preparatório ao Sínodo, publicado em novembro de 2013. A primeira parte – “Comunicar o Evangelho da família hoje” – reitera antes de tudo o “dado bíblico” da família, baseada no matrimônio entre homem e mulher, criados à imagem e semelhança de Deus e colaboradores do Senhor no acolhimento e transmissão da vida.
Uma reflexão específica é dedicada à dificuldade de compreender o significado e o valor da “lei natural”, colocada na base da dimensão esponsal entre o homem e a mulher. Para muitos, “natural” é sinônimo de “espontâneo”, o que comporta que os direitos humanos são entendidos como a autodeterminação do sujeito individual que tende à realização dos próprios desejos.
Outro grande desafio indicado pelo texto é a privatização da família, que já não é entendida como um elemento ativo da sociedade e a sua célula fundamental. Por esta razão, é necessário que os núcleos familiares sejam tutelados pelo Estado e recuperem o seu papel de sujeitos sociais nos diferentes contextos: trabalho, educação, saúde, defesa da vida.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Família: Jornada de oração pelo próximo Sínodo

A Igreja Católica vai celebrar no último domingo deste mês, dia 28, uma jornada de oração pela terceira assembleia geral extraordinária do Sínodo dos Bispos, que decorre no Vaticano de 5 a 19 de outubro.
A iniciativa foi divulgada hoje pelo Secretariado do Sínodo, que convida as Igrejas particulares, as comunidades paroquiais, os Institutos de Vida Consagrada, associações e movimentos a rezarem nas celebrações eucarísticas e noutros momentos celebrativos, nos dias anteriores e durante os trabalhos sinodais.
Em Roma vai rezar-se todos os dias na capela onde se venera o ícone de Nossa Senhora, ‘Salus populi romani’, da Basílica de Santa Maria Maior.
A Santa Sé recomenda também a recitação do terço pelos trabalhos sinodais, que vão ter como tema ‘Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização’.
O Secretariado do Sínodo anunciou a publicação de um pequeno livro, em diversas línguas, com a Oração da Santa Família composta pelo Papa Francisco e algumas intenções propostas para a oração dos fiéis.

Fonte: arqrio.org

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Semana Nacional da Família 2014: valorizando o Matrimônio

Semana Nacional da Família 2014 reúne fiéis para celebrar e valorizar a vida matrimonial
"A espiritualidade cristã na família: um casamento que dá certo" é o tema da Semana Nacional da Família, que será celebrada de 10 a 16 de agosto. O evento é motivado pela Comissão Nacional da Pastoral Familiar, organismo vinculado à Comissão Episcopal para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).
            A Semana Nacional da Família, criada em 1992, integra o calendário anual das paróquias e comunidades de todo o Brasil. O tema proposto para este ano quer ajudar as famílias na vivência dos gestos de espiritualidade, que podem fazer a diferença na vida matrimonial.
            O bispo auxiliar do Rio e animador da Pastoral Familiar, Dom Antonio Augusto Dias Duarte, reforçou que é muito importante que os casais participem das atividades que acontecerão nas paróquias e sigam as orientações propostas no subsídio “Hora da Família”, produzido pela comissão. O livreto, que já está em sua 18ª edição, começou a ser editado desde a vinda de São João Paulo II ao Brasil, em 1994.
            “Convidamos a todos a participarem para testemunhar a importância da valorização da vida familiar”, incentivou.
            Na Arquidiocese do Rio, também acontecerá o Terço da Família, entre os dias 9 e 15 de agosto, às 20h. A oração, que será transmitida pela Rádio Catedral FM 106,7, será realizada em igrejas dos sete vicariatos.

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Cristiano Ronaldo seria abortado

Setenta prêmios individuais, incluindo duas bolas de Ouro e um Fifa World Player, uma série de troféus levantados com as camisetas do Sporting Lisboa, Manchester United e Real Madrid. E, novamente, uma enorme quantidade de recordes que requer uma boa dose de paciência para aqueles que querem ler todos, assim como dois dos mais altos prêmios concedidos pelo Estado de Portugal. Porém, um pequeno grande mérito para estes prêmios é devido a um desconhecido médico Português. Pequeno como o corpinho ainda frágil e indefeso que cresce dia a dia no ventre de uma mulher, grande como o gesto nobre de quem realiza com profissionalismo e fé o próprio trabalho e consegue, assim, salvar uma vida humana do aborto.
            No já distante 1984, a vida que este homem salvou foi a de Cristiano Ronaldo, um dos jogadores mais fortes e prolíficos em termos de gols realizados nos últimos anos. Foi a própria mãe do eixo do Real Madrid e da Seleção portuguesa que revelou a história que está nos bastidores na autobiografia, Mãe Coragem, publicada dia 18/07/2014 em Portugal. A mulher, cujo nome é Dolores Aveiro, diz em uma das passagens mais comoventes do livro a sua situação, quando ela descobriu que estava grávida daquela criança que mais tarde se tornaria o famoso Cristiano Ronaldo.
            "Naquela época, eu já tinha 30 anos e três filhos, não parecia apropriado lidar com um novo nascimento e ampliar a família, então procurei um médico, que, porém, se recusou a fazer a cirurgia", explica. Passava por um tempo bem sombrio na sua casa, dar de comer aos filhos Hugo, Elma e Cátia Liliana, a cada dia, era um desafio cada vez mais difícil com um marido, José Diniz, desempregado (morreu em 2005 devido ao álcool) e com as poupanças reduzidas a nada.
            Mas a relutância e a tentativa de desencorajá-la do aborto, por parte do médico, não tiraram as suas intenções, que mesmo assim tentou interromper a gravidez com um “remédio caseiro” sugerido por uma amiga: “Me disse para beber cerveja escura e quente. Assim a criança teria morrido”.
            A cerveja, no entanto, não conseguiu parar a energia vital daquele coração batendo no ventre de Dolores. Depois de algumas horas de tomar a bebida potencialmente assassina, na parte inferior do abdômen continuava a reinar a paz. Sinal da ineficácia do "remédio caseiro". Pouco a pouco, a mulher - já acostumada ao aleitamento, às fraldas e choros noturnos – decidiu ter também o quarto filho. “Se a vontade de Deus é que esta criança nasça, assim seja”, foi o seu pensamento mais íntimo.
            No dia 5 de fevereiro de 1985 em uma cidade das Ilhas Selvagens, um pequeno arquipélago do Oceano Atlântico mais perto das costas africanas do que das portuguesas, nasceu Cristiano Ronaldo. Uma criança forte e saudável, veio à luz em uma cidade anônima e que teria se tornado famoso em todo o mundo devido ao seu talento futebolístico único.
            Um bastidor muito delicado, que a mãe decidiu publicar com a permissão prévia de seu filho Cristiano, o qual, hoje, ainda tem a força de fazer piada do tema: “Viu, mãe, você queria me abortar e agora sou eu que controlo as finanças em casa”. E pensar que a tentação de interromper a gravidez surgiu das suas dificuldades econômicas. Se aquele médico não tivesse permanecido fiel ao seu juramento e, portanto, firme em sua oposição sobre o aborto, hoje o mundo do futebol teria uma grande estrela a menos no seu firmamento. E o firmamento – se sabe – para observá-lo temos que olhar para cima. É por isso que a objeção de consciência é sempre um gesto dirigido para cima.

 Fonte: ZENIT (Agência Internacional Católica de Notícias)

quinta-feira, 31 de julho de 2014

A Descoberta da Vocação em um simples acontecimento familiar

WASHINGTON DC, 29 Jul. 14 / 03:47 pm (ACI/EWTN Noticias).- O Pe. Juan Ricardo Romero –atualmente aposentado-, conta que tomou a decisão de ser sacerdote aos três ou quatro anos de idade depois de um acontecimento familiar que hoje lembra como uma brincadeira, mas que o ajudou a tomar uma direção da qual “estou muito agradecido”.  
            Este fato aconteceu quando morava com a sua família em Albuquerque, Nuevo México (Estados Unidos). Seus pais tinham convidado um sacerdote jesuíta para abençoar a casa. “O sacerdote abençoou a casa”, relata, “disse umas orações e, quando terminou, minha mãe, que era boa cozinheira, serviu uma comida deliciosa”. Ao vê-lo, o pequeno Juan disse para si mesmo: “Veio na minha casa, fez algumas orações e recebeu comida. Que bom! Eu também quero ser sacerdote”.
            Anos depois, tal como conta o sacerdote a Vida Nova –site informativo da Arquidiocese de Los Angeles- esta vocação não cambaleou apesar dos “altos, baixos e curvas que encontrei no meu caminho. Apesar dos maus momentos passados. Nunca quis ser outra coisa e estou muito agradecido”.
            Natural de Taos, o pequeno Juan Ricardo mudou-se aos cinco anos de idade de Albuquerque para Los Angeles por motivos de trabalho do seu pai, onde morou a uma quadra da Igreja do Sagrado Coração porque “para o meu pai era importante estar perto de uma igreja para poder participar facilmente damissa diária”.
            Seus pais, José Tobías e María Claudia, tiveram antes outros dois filhos homens: José Tobías e Gilberto. O segundo também sentiu o chamado vocacional, ordenando-se em 1961. Juan o fez em 30 de abril de 1964.
            Tal como relata o sacerdote, este fato não é estranho em um ambiente familiar religioso, onde se tem o costume de rezar o Terço todos os dias depois do jantar.
A vocação do pai
            Este ambiente profundamente religioso, recordou o Pe. Juan Ricardo, fez que dois anos depois de ter ficado viúvo, o seu pai José Tobías se ordenasse sacerdote claretiano aos 61 anos de idade, servindo à comunidade quase por 20 anos entre La Placita e a Missão de São Gabriel, onde está enterrado.
            “Desta forma –afirmou Vida Nova-, seu caso familiar evidencia que Deus pode chamar a qualquer idade, que os calendários e horários não contam. Como na parábola dos chamados a trabalhar em sua vinha em diferentes horas do dia”.


Fonte: www.acidigital.com

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Escolhidos os Patronos do próximo Encontro Mundial das Famílias

Roma, 22 Jul. 14 / 07:56 pm (ACI).- O Arcebispo da Filadélfia (Estados Unidos), Dom Charles Chaput, anunciou que São João Paulo II e Santa Gianna Beretta Molla serão os santos patronos do Encontro Mundial das Famílias 2015, a ser celebrado em sua arquidiocese.
            Durante a Missa celebrada em 20 de julho na Catedral de São Pedro e São Paulo, na Filadélfia (EUA), Dom Charles Chaput assinalou que “São João Paulo II e Santa Gianna foram escolhidos como os dois Santos patronos, para guiar toda a preparação e a participação neste evento internacional, já que eles encarnam plenamente a história, missão e o tema do Encontro Mundial das Famílias 2015”.
Durante a Missa, o Arcebispo também expôs um relicário contendo sangue de São João Paulo II, para a veneração dos fiéis.
            O Encontro Mundial das Famílias, que se realizará entre os dias 22 e 27 de setembro de 2015, terá como tema “O amor é nossa missão: a família plenamente viva”.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Semana Nacional da Vida

            Em sua 4ª edição, o subsídio "Hora da Vida" faz um convite à sociedade para a celebração da Semana Nacional da Vida, de 1º a 7 de outubro, e Dia do Nascituro, comemorado na quarta-feira, 8. Trata-se de uma mobilização em todo o país, com intensa programação nas dioceses, paróquias e comunidades, com objetivo de propor à sociedade o debate sobre os cuidados, a proteção e a dignidade da vida humana, em todas as suas fases, desde a concepção até seu fim natural. 
            De acordo com o bispo de Camaçari (BA) e presidente da Comissão Episcopal para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom João Carlos Petrini, "compreender e admirar são passos necessários para acolher e respeitar a vida, para superar a visão da cultura dominante que tende a banalizá-la e a considerá-la de maneira superficial".
            A Semana Nacional da Vida foi instituída em 2005 pela 43ª Assembleia Geral da CNBB. O Dia do Nascituro celebra o direito à proteção da vida e saúde, à alimentação, ao respeito e a um nascimento sadio. 

terça-feira, 6 de maio de 2014

Marcha da vida em Copacabana

“Nesta tarde em Copacabana, local que foi palco da Jornada Mundial da Juventude, nós realizamos essa marcha para sinalizar que a vida é o tesouro da humanidade”, disse o bispo auxiliar e presidente da Comissão Arquidiocesana de Promoção e Defesa da Vida, Dom Antonio Augusto Dias Duarte, durante a 2ª Marcha pela Vida, que aconteceu na tarde do dia 4 de maio, e seguiu do Posto 6, na Praia de Copacabana, até a Praça do Lido, no Leme.
O evento, realizado e coordenado pelo Movimento Nacional da Cidadania pela Vida - Brasil sem Aborto, reuniu milhares de pessoas de todas as idades que acreditam que a vida humana é um direito a ser preservado. Mães de vítimas da tragédia na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, participaram da marcha. Estavam presentes lideranças pró-vida, artistas e representantes de diferentes religiões.
A coordenadora estadual do movimento, Maria José da Silva, destacou a importância da união de todos em prol de um direito primário, uma causa básica para a sobrevivência da humanidade.  “Lutamos por um bem maior que é a vida humana, um direito que deve ser preservado, como nos garante a Constituição. Somos contra todo e qualquer tipo de crime contra a vida”, disse.
Durante a marcha foram distribuídas réplicas de um bebê com 12 semanas de gestação e coletadas assinaturas para a aprovação do Estatuto do Nascituro (PL 478/07), que garante o direito à vida desde a concepção, e para a aprovação do Projeto de Lei 416/2011, que tramita no Estado do Rio de Janeiro, para prevenção do aborto e abandono de incapaz.

quarta-feira, 30 de abril de 2014

Mãe Coragem

Elizabeth Joice sacrificou a própria vida para salvar o bebê que levava no ventre. Esta mãe corajosa faleceu no dia 9 de março deste ano depois de lutar contra um câncer agressivo e abrir mão de realizar exames que poderiam salvar a sua vida, mas causar a morte de seu bebê.
 A história ocorreu em Nova Iorque, Estados Unidos. Em setembro de 2010, Elizabeth foi diagnosticada com um câncer agressivo nos pulmões. Quando aparentemente tinha superado a doença e apesar de os médicos afirmarem que ela nunca ficaria grávida, concebeu um bebê.
            Só um mês depois de saber que estava grávida, os médicos descobriram que o câncer havia voltado com mais força. Fizeram-lhe uma operação de emergência para retirar o novo tumor, mas ela se negou depois a fazer a ressonância magnética de corpo inteiro que poderia diagnosticar quais outros órgãos estavam sendo afetados pela doença, para não arriscar a vida do bebê que levava no ventre.
            Com o apoio de seu marido Max, a mulher resistiu à doença até que o bebê completou sete meses de gestação. Deu à luz em janeiro deste ano e lutou durante as seguintes seis semanas pela sua vida. O câncer se alojou nos pulmões e no abdômen.
 Sua cunhada, Judith Joice, recordou que "com tantos motivos para viver, ela (Elizabeth) lutou e continuou lutando como os médicos nunca tinham visto alguém lutar, superando todas as dificuldades para ter a chance de passar apenas mais um dia com Lily e Max". "Liz tinha dado tudo o que tinha, mas não podia lutar mais".
            Apesar da dor da morte de sua esposa, a pequena Lily reconforta o seu pai. "A magia de Liz contagiou a Lily. É linda e extraordinária. Ela me dá forças para passar por tudo isso", disse.
            Os amigos do casal lançaram uma coleta através de internet, no site You Caring para criar um fundo de apoio ao bebê.

 Fonte: ACI Digital (Agência Católica Internacional de Informação)

sexta-feira, 21 de março de 2014

Cultura da Vida

Centro Social Nossa Senhora do Parto será inaugurado no Dia Municipal do Nascituro
A vida é o primeiro direito de todo o ser humano, porque quando ela não é defendida todas as pessoas podem estar em risco. Para resguardar esse direito primordial, desde a concepção, a Comissão Arquidiocesana de Promoção e Defesa da Vida vai celebrar o Dia Municipal do Nascituro, em 25 de março, com orações e ações sociais, na Igreja Nossa Senhora do Parto, no Centro.
“Será um grande dia de conscientização e valorização da vida. Teremos momentos de louvor, ação de graças e agradecimento a Deus pelo dom maior que é a vida. O nascituro é a criança que cresce no ventre materno, local onde é gerada a grande bênção de Deus que é a vida humana”, afirmou Maria José da Silva, membro da comissão arquidiocesana.
A partir das 10h, integrantes da comissão e do Movimento da Cidadania pela Vida – Brasil Sem Aborto estarão na igreja. A Santa Missa, seguida de bênção para as gestantes, será presidida às 13h30 pelo bispo auxiliar da Arquidiocese do Rio Dom Antonio Augusto Dias Duarte, que é presidente da comissão.
O Dia do Nascituro foi instituído pela Lei nº 3847, de 24 de maio de 2002, e coincide com a solenidade da Anunciação do Senhor, celebrada nove meses antes do Natal.
Após a missa, acontecerá a inauguração do Centro Social Nossa Senhora do Parto, para acolhimento e orientação à mulher. No centro social serão realizados atendimentos gratuitos às mulheres grávidas. São eles: serviço social, psicologia, terapia de família, orientação jurídica-defesa e direito da mulher, curso e acompanhamento educativo a gestante, projeto Maternidade Responsável e orientação sobre o método Billings.
Haverá coleta de doações de fraldas descartáveis e enxovais de bebês. O endereço da igreja é Rua Rodrigo Silva, 7. O atendimento do centro social será realizado de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h. Informações: 2292-8892.

sexta-feira, 14 de março de 2014

Missa pelo Dia Municipal do Nascituro

O bispo auxiliar da Arquidiocese do Rio Dom Antonio Augusto Dias Duarte, que é presidente da Comissão Arquidiocesana de Promoção e Defesa da Vida, vai presidir a missa em ação de graças pelo Dia Municipal do Nascituro, em 25 de março, às 14h30, na Igreja Nossa Senhora do Parto, no Centro. A data, que marca nove meses antes do Natal, celebra a solenidade da Anunciação do Senhor.
“Convido todos a participarem para que a Igreja possa dar testemunho do grande trabalho que a Igreja faz em favor da vida”, incentivou Dom Antonio.
Nascituro é o ser humano que ainda não nasceu, e se encontra em estado fetal dentro do ventre materno. O Dia Municipal do Nascituro foi instituído pela Lei nº 3847, de 24 de maio de 2002.
É possível assinar a petição online para aprovação do Estatuto do Nascituro, Projeto de Lei 478/07, que tramita na Câmara dos Deputados, pelo link http://migre.me/gjGiG. Mensagens podem ser enviadas aos deputados pelo site www.camara.leg.br.

Fonte: arqrio.org

quarta-feira, 12 de março de 2014

Tecelãs do Amor

Pe. Ricardo Pinto compartilha conosco a reportagem publicada na edição de janeiro da revista Família Cristã, das Irmãs Paulinas, que tem circulação em nível nacional, falando do trabalho das Tecelãs do Amor Maior, na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, da Vila Arapuá (SP).
Agradeçamos a Deus essa forma bonita que o Espírito suscita e a comunidade generosamente concretiza, fazendo diferença no contexto social da metrópole.

Para ler as reportagens, clique com o botão direito na imagem, abrir imagem em uma nova guia, vai aparecer uma lupa com um sinal de (+). É só clicar para aumentar.






quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Respeito à família

Uma enquete sobre o Estatuto da Família tem batido recorde de acessos no site da Câmara dos Deputados, neste mês de fevereiro. Para a pergunta "Você concorda com a definição de família como núcleo formado a partir da união entre homem e mulher, prevista no projeto que cria o Estatuto da Família?", mais de 50% dos participantes votaram ‘sim’.
A enquete, incluída no dia 11, gerou efeito viral nas mídias sociais e soma o maior número de votos em enquetes promovidas pelo Portal da Câmara dos Deputados, com quase 400 mil votantes em sete dias.
O Estatuto da Família (PL 6583/13) define entidade familiar como o núcleo social formado a partir da união entre um homem e uma mulher, por meio de casamento ou união estável. Também considera família a comunidade formada por qualquer um dos pais e seus descendentes, por exemplo: uma viúva ou viúvo e seus filhos; um divorciado, uma divorciada ou mãe solteira com seus dependentes.
“Não dá para mudar a natureza e o senso comum. O conceito de família se refere a união de homem e mulher, abertos a procriação para a preservação da espécie humana, conforme está previsto no Artigo 226, Parágrafo 3º da Constituição Federal - A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado", destacou o presidente da União dos Juristas Católicos do Rio de Janeiro, Paulo Leão.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Médicos salvam bebê cuja gestação terminou após a morte cerebral de sua mãe

No dia 29 de dezembro de 2013, os médicos diagnosticaram que Robyn Benson, uma mulher de 32 anos e seis meses de gestação, teve uma hemorragia seguida de morte cerebral. O seu marido e os médicos fizeram todos os esforços para salvar o bebê e conseguiram.
No sábado passado nasceu Iver Cohen Benson, na foto junto com o seu pai Dylan Benson. Robyn faleceu no domingo a poucas horas de dar à luz. Os médicos conseguiram que o bebê chegasse à 34ª semana de gestação para praticar uma cesárea.
A história ficou conhecida no mundo inteiro porque Dylan Benson decidiu narrar em um blog como a sua vida tinha sofrido uma triste reviravolta quando a sua esposa sofreu a hemorragia cerebral.
"No sábado de noite nasceu meu precioso e impressionante filho, Iver Cohen Benson. Está saudável e é a pessoa mais preciosa que já conheci", escreveu o pai para dar a notícia.
"No domingo tivemos que dizer adeus à mulher mais maravilhosa e forte que conheci. Sinto saudades de Robyn mais do que poderia explicar com palavras. Não poderia estar mais impressionado pela sua fortaleza e me sinto muito afortunado por havê-la conhecido. Ela viverá sempre em Iver e também no meu coração", adicionou.
Em um breve texto, Dylan agradeceu ao apoio de milhares de pessoas que mostraram seu carinho e inclusive colaboraram economicamente com o futuro do pequeno Iver. "Obrigado a cada um de vocês pelo seu amor, pelas suas palavras de ânimo e seu apoio nestes momentos tão difíceis. Os comentários que recebi aqui e na página de donativos YouCaring me ajudaram muito a passar estas semanas. Desejo-lhes o melhor", manifestou.
O blog onde o pai narra a sua história (em inglês) é: http://www.misterbenson.com/

Fonte: www.portalecclesia.com